segunda-feira, 23 de abril de 2012

Aqui bate um coração

Vão me chamar de bairrista mais uma vez, mas como não me emocionar ao ver a nova geração de cidadãos são-joanenses comprometidos com a cidade que tanto amo:

"Na sexta-feira da paixão (06 de abril) olhares atentos deram destaque ao amor pelas ruas de São João del-Rei. Na cidade onde os sinos falam, o amor reverberou pelas ruas, ganhou sorrisos alheios e esquentou olhares através de corações vermelhos em monumentos e estátuas espalhados pelas ruas.

Inspirados pelo movimento #aquibateumcoracao, um grupo de amigos se reuniu com um intuito: espalhar um pouco mais de amor no cotidiano do outro - e entre eles mesmos -- na esperança de que os pontinhos vermelhos espalhados pela cidade despertem a curiosidade, o sorriso e, é claro, muito amor. Um respiro aliviado em meio do cotidiano caótico e tão individualizado que vivemos, afinal, AQUI BATE UM CORAÇÃO"!

sábado, 14 de abril de 2012

Quanta coisa se passou...Ainda estamos juntos aqui!

Nestes últimos dias, acometido por uma infecção na garganta que me fez ficar literalmente prostrado, percebi o quão importante se faz em nossas vidas a família de amigos. São eles que na ausência dos pais e irmãos nos sustentam, mesmo que de longe, pois conhecem parte da noss' alma. 
E, hoje, ao ouvir a música Rara Calma do Rosa de Saron, pude perceber na letra, mais uma vez, a importância destes. E olha que já ouvi esse dvd 'n' vezes:

"O espelho me diz que envelheci. E que mal pode existir em ter histórias pra contar dos amigos que aqui fiz? Quanta coisa se passou...Ainda estamos juntos aqui"

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Floripa: ilha da magia!


Praia Mole. Foto: @paulojsouza
Floripa: ilha da magia! É assim que a definem e assim que enxerguei a cidade de Florianópolis no estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Estive na cidade do poeta barriga-verde Cruz e Sousa, do nadador Fernando Scherer, do tenista Gustavo Kuerten etc no final de março e início de abril do corrente.
Museu Histórico de S. Catarina. Foto: @paulojsouza
Aproveitei os dias de férias para curtir os resquícios do verão nas belas praias catarinenses como Jurerê Internacional e Mole, a bela paisagem da Lagoa da Conceição, o centro histórico da cidade com seu expoente Palácio Cruz e Sousa (museu). Na Lagoa, a igrejinha de Nossa Senhora da Conceição datada do século XVIII, de onde temos uma vista parcial do local. Local este que é um dos points noturnos dos florianopolitanos. Praias tranquilas, algumas quase desertas por causa da baixa temporada, mas com uma beleza: natural do Brasil.
Igreja N. Sra. da Conceição. Foto: @paulojsouza

Foi minha primeira experiência de viajante mochileiro, de ter hospedado num hostel e, diga-se de passagem, foi curiosa. Diferente dos hotéis aos quais estamos habituados, fiz amizades. Durante um período, forma-se uma ‘família’ mesmo. Muitos turistas ‘gringos’ na capital catarinense, aliás, observei que tinha mais que brasileiros, pelo menos no hostel.

Jurerê Internacional. Foto: @paulojsouza
Uma cidade com trânsito tranquilo, pessoas educadas (me lembrou Buenos Aires, principalmente ao usar o transporte público), cardápio variado nas praias e na Lagoa. Tem pra todo gosto! O sistema de transporte público funciona satisfatoriamente apesar das longas distâncias das praias. Mas, gostaria de registrar que o turismo ainda não se atentou para o público que não busca apenas belezas naturais. Em pleno domingo, encontrei igrejas, museus e restaurantes fechados. Aliás, o centro histórico totalmente deserto. Única ressalva que faço aos gestores públicos e principalmente aos agentes de turismo e de cultura do estado.
No mais, fica a dica pra quem deseja conhecer o sul do Brasil, aliando conhecer a cultura de um povo com fortes traços europeus (ascendentes portugueses em sua maioria) com a beleza natural que o Brasil tem a oferecer.